Notícias

Vereadora denuncia falta de tratamento de esgoto sanitário nas comunidades da Ilha

Audiência Pública sobre Saneamento BásicoIntegrante da Comissão Especial da Câmara do Rio – que tem como finalidade, fiscalizar e acompanhar o cumprimento das obrigações pela Prefeitura do convênio firmado com o Estado para a prestação do serviço de saneamento no Município nas áreas das AP4 e AP5. (Barra da Tijuca, Jacarepaguá, Santa Cruz, Guaratiba, Campo Grande, Realengo e Bangu) – a vereadora Tânia Bastos (PRB-RJ) participou da audiência pública a fim de discutir a manutenção do sistema de esgoto sanitário em 21 bairros da Zona Oeste e 751 comunidades da cidade nesta sexta-feira (19/11).

Durante o debate, Tânia denunciou a falta de tratamento de esgoto nas comunidades da Lagartixa (Costa Barros), Vila Juaniza, Parque Royal, INPS, todas na Ilha do Governador, e também no asfalto, próximo a região da Aerobitas, na Portuguesa (Ilha), onde o esgoto está desembocando na Baía de Guanabara. Ela apresentou fotografias de vistorias realizadas por ela nas comunidades.

A parlamentar chamou a atenção para o fato de que a Zona Sul ficou fora do contrato entre a Prefeitura e o Governo do Estado. Ela declarou que a decisão tomada em 2007 teve conotação política, pois a Zona Oeste ficou sob responsabilidade da Secretaria Municipal de Obras e as 751 comunidades com a Secretaria Municipal de Habitação.

O presidente da Associação de Moradores da Ilha do Governador, Ricardo Tavares, considerou como crime ambiental o descuidado com o esgoto, decorrente da assinatura do contrato, diante da incapacidade da Prefeitura de cuidar de tal demanda.

De acordo com a Superintendente de Locais e Ambientes da secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil, Marguerita Abdalla, a Vigilância Sanitária procura levar à população, informações sobre o melhor uso da água e orienta no combate à dengue e outros riscos para a saúde.  Ela explicou ainda que saúde, água e esgotamento sanitário estão entrelaçados. “Melhorando a infraestrutura, melhora a saúde”, garantiu Marguerita. 

Já o diretor de Topografia da Gerência de Geologia da Geo-Rio, José Antônio Furtado, afirmou que o órgão oferece subsídio para o Executivo, através de mapeamento das condições do solo nas comunidades. As informações auxiliam a Rio Águas na execução do serviço de tratamento do esgoto sanitário.

 Também participaram da audiência, o relator da Comissão, vereador Marcelo Piuí,a presidente, Teresa Bergher, e o funcionário da Cedae, Valderley Barbosa Pimenta.

Comentários

Compartilhe nas Redes Sociais

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on linkedin